Páginas

terça-feira, 15 de julho de 2008

Homo Ídhios



Pensar, reciocinar, refletir, meditar, filosofar, devanear...

Para quê? Aonde queremos chegar?

Qual o propósito de se pensar tanto?

Já imaginamos o que queremos fazer, depois que tudo passar?

Sempre em busca de algo que nos faça feliz, esquecemos que a felicidade está nas coisas que fazemos no dia-a-dia... porque se não somos felizes ao fazer o que somos designados, então vivemos a procura da felicidade momentânea que passa ao voltarmos a fazer o que fomos designados...

Tantos planos... para quê? se vamos voltar a fazer tudo igual de novo...

Está a felicidade no desconhecido? No divergente? No diferente? No novo?

Quando penso nisso lembro da saudade... que existe justamente para que não esqueçamos... das coisas boas que fizemos... e que sempre ao tentarmos fazer novamente, vai ser diferente, e se for igual não será tão bom...

Agora me pergunto por que precisamos fazer sempre algo novo, para nos completar, e nos fazer sentir feliz..? Algo novo ou diferente tanto faz, mas algo que fuja do padrão, da rotina...

Tente me lembrar de três coisas boas que fizemos juntos..? E três coisas ruins? E três coisas inesperadas..? Será que consigo recordar?

E como diria um velho e sábio que admiro: Me desculpe, mas sou mais inteligente que a maioria, e portanto quando eu erro, costuma ser bem maior também...

Acho que depois dessa, como estou sem meu chá alucinógeno, vou tomar chá de erva cidreira, meu bom e velho cigarro de cravo sabor de cereja e menta, e pensar, em como seria parar de pensar, em como seria ser um Homo Ídhios...

PS. Do latim idiota (la), originado do grego antigo ἴδιώτης (idhiótis) (grc), "um cidadão privado, individual", derivado de ἴδιος (ídhios) (grc), "privado".

Um comentário:

AND[inho] disse...

sabe o que precisamos de verdade?
parar de pesar e começar a agir!

perdemos muito tempo pensando em como falar e como agir
que a graça do inesperado e do espontâneo desaparece

vamos perder tempo com momentos em silencio ao por do sol
onde não se pensa em nada apenas no que se esta sentindo.

Quem sou eu

Minha foto
Diadema, São Paulo, Brazil
quem sou eu para falar de mim? A pessoa que melhor me conhece, portanto poderia falar muito, mas vou deixar que este teste de personalidade fale por mim: Características desta pessoa: Sua ética é implacável e ela exige dos outros o mesmo comprometimento. Por isto ela é sempre procurada quando se precisa de pessoas confiáveis e comprometidas. Como é muito amistosa e com iniciativa para alcançar resultados e possui grande capacidade de influência, dificilmente corre de um desafio perdendo pela falta de seletividade e assumindo mais do que deveria. É participativa, auto-confiante, inquisitiva, imaginativa, factual, consistente e um tanto quanto convencional e auto-disciplinada. Atividade, mobilidade, flexibilidade, variedade e ritmo deverão ser, também, características desta pessoa.

Arquivo do blog